Monday, September 05, 2005

VIOLETAS BRANCAS






Sigo teus passos, feito asteca, sonhando
a terra eterna e rica – tua pele.
Pele dos diários, onde leio a lua.
A maré suave que me enlaça nua,


écharpe de brisa e aurora, corais gris.
Adeus soledade de pedra. Paloma triste
em vôo riste, ao longe.
O deus-do-sol-do-meio-dia, colibri azul


da era atômica, é um sopro de luz e sons.
Sonhos delineados na tela fria.
O mundo sangra e transforma a garça


em íbis rubro. Leio um salmo antigo,
acordo em manhãs violetas. Tenho por companhia
um pequeno vaso de violetas brancas.


(Bárbara Lia)

Comprei um vaso de violetas brancas, minha companhia.
Vou seguir a trilha dos sites que publicaram minha poesia.
Este poema está no site da Livraria Pagu.

http://www.livrariapagu.com.br/poesia4.html