Wednesday, November 23, 2005

before night falls














- Para um escritor solar que como eu amava a lua - esta branca pele de lírio que clareia tudo - até os tristes.


" Oh Luna! Siempre estuviste a mi lado, alumbrándome en los momentos más terribles; desde mi infancia fuiste el misterio que velaste por mi terror, fuiste el consuelo en las noches mas desesperadas, fuiste mi propia madre, bañándome en un calor que ella tal vez nunca supo brindarme; en medio del bosque, en los lugares más tenebrosos, en el mar; allí estabas tu acompañándome; eras mi consuelo, siempre fuiste la que me orientaste en los momentos más difíciles. Mi gran diosa, mi verdadera diosa, que me has protegido de tantas calamidades; hacia ti en medio del mar; hacia ti junto a la costa; hacia ti entre las costas de mi isla desolada. Elevaba la mirada y te miraba; siempre la misma; en tu rostro veía una expresión de dolor, de amargura, de compasión hacia mí; tu hijo. Y ahora, súbitamente, luna, estallas en pedazos delante de mi cama. Ya estoy solo. Es de noche. "
.
Fragmento de "Antes que anochezca" - do escritor Cubano - Reinaldo Arenas que nasceu em Cuba - 1.943, morreu em New York em 1.990 - vitima de Aids, dissidente do regime da Ilha de Cuba, foi o único que conseguiu abalar a minha fé no socialismo da Ilha, diante da crueldade de sua prisão. Ler -Antes que Anoiteça- fez despertar a paixão pela Literatura de Arenas, uma escrita visceral que introduz a poesia com uma facilidade de quem pesca pássaros com as mãos e coloca as palavras como uma música ritmada, o próprio Arenas na infância pobre cantava melodias que ele inventava, com letras que já eram poemas seus e levou sua professora a descobrir muito cedo sua veia poética. Em Havana encontrou José Lezama Lima (que inveja do Arenas!) e Virgilio Piñera que o ajudaram com a publicação do primeiro livro. Preso por ser gay ele descortinou o lado negro - que todo governo possui - e me fez viver com ele em um bosque de Havana no tempo em que viveu escondido, durante os dias nas copas da árvore e nas noites vagando no bosque, com apenas papel e caneta que um amigo lhe trazia - e ele dizia - de que mais precisa um escritor?
Os contos dele onde o realismo fantástico permeia, ele seduz. Sempre leio os autores de lingua espanhola, apaixonada pelo idioma, decifrando a musicalidade e a poesia que contém a língua.
E impossível não se revoltar com a dificuldade que viveu Arenas por ser um gay em Cuba:
"E o que foi feito de mim? Depois de ter vivido 37 anos em Cuba, estou agora no exílio, padecendo de todas as desgraças dessa situação e esperando uma morte iminente. Por que tanta fúria contra todos nós que um dia quisemos romper com a tradição trivial e com a monotonia cotidina que têm caracterizado nossa Ilha?" - Reinaldo Arenas em Antes que anoiteça.

Before Night Falls - O filme baseado no livro, estreado por Javier Bardem não deixa de ser tocante, não tanto como a literatura de Arenas, mas, em uma madrugada sem sono, liguei a TV e comecei a reconhecer aquele início de história, um menino pobre em um país que lembrava Cuba, esperei e confirmei - era a vida de Arenas - e a interpretação de Javier Bardem tornou o filme belíssimo, toda a trajetória dele, as lutas, a prisão fétida, um homem no bosque vagando, escondido, sua fuga, sua solidão, e seus amores, tão ternos quanto todos os amores. Antes que anoiteça foi traduzido em tantos idiomas que encontrei a edição em grego para ilustrar esta pequena homenagem, aos escritores, estes verdadeiros que se enfurnam em qualquer lugar e vivem qualquer vida, e mesmo na condição mais estranha e triste atiram essas jóias eternas, os livros onde pulsa o sangue das artérias, o suor e lágrimas fecundas e alerta ao que deve ser mudado, nenhuma fé ou nação tem o direito de interferir na liberdade do ser, quando esta liberdade não ofende a liberdade do outro... é o que penso, em silêncio sempre que penso na escrita iluminada e profunda e forte e inteligente e poética deste cubano.