Monday, January 21, 2008

TRENS TRITURANDO TRILHOS

.
.
Tangência de ferros nos trilhos
rasga em uma ternura que ofende
de tão bela.
Existirá paisagem de dor mais fecunda
que trens rasgando trilhos?
Nuvem ao redor: que nuvem aquela?
Cenário trepida
por trás de uma cortina estremecida.
Até o ar se emociona
quando o trem se aproxima,
diante dele a ternura de açúcar fervido
balançando em dobras de olvido…
Esquecer!
Ser este trem que parte e vai levando
diante dele a cortina:
nossos corações diluídos
acima dos trilhos.
Eu e você: recorda?
Recorda a fumaça do teu cigarro,
tua pele clara, o gozo líquido
-cortinas de açúcar.
Recorda?
Recordam – eternamente –
trens triturando trilhos.
BÁRBARA LIA


A minha poesia (Tangência de ferros nos trilhos...) e um texto que escrevi quando visitei o Museu da Língua Portuguesa e vi - A hora da estrela - exposição sobre vida/obra de Clarice Lispector estão no site Coletânea Artesanal, que dedica esta edição à cidade de São Paulo, que está de aniversário neste mês. Editado por Lunna Guedes