Sunday, June 19, 2011

O Velho Tema III


Quando as veias deste silêncio explodirem vai ficar difícil andar pelas ruas. Quando saturar o depósito cavernoso líquido - tinta estocada em um jardim de rosas que já murcharam há setecentos anos. A maioria esconde no silêncio o amor. Entram no jogo. O jardim dos amores silenciados está obeso de rosas florescidas em lágrimas de sangue. Vão pensar que é o fim do mundo quando explodir a veia submersa dos amores enterrados.

Bárbara Lia









Velho Tema



Vicente de Carvalho




Só a leve esperança, em toda a vida,
Disfarça a pena de viver, mais nada;
Nem é mais a existência, resumida,
Que uma grande esperança malograda.

O eterno sonho da alma desterrada
Sonho que a traz ansiosa e embevecida,
É uma hora feliz, sempre adiada
E que não chega nunca em toda a vida.


Essa felicidade que supomos,
Árvore milagrosa que sonhamos
Toda arreada de dourados pomos,

Existe, sim: mas nós não a alcançamos
Porque está sempre apenas onde a pomos
E nunca a pomos onde nós estamos.



...



Publiquei a poesia - Velho Tema - que para Vicente de Carvalho era a Felicidade. Para mim nestas postagens sem pretensão é o mais que maltratado e tripudiado e mal dito e quiçá maldito - Amor.