Friday, October 05, 2012

Um dia sou prosa e no outro poesia


Vida, minha vida
Olha o que é que eu fiz
Deixei a fatia
Mais doce da vida
Na mesa dos homens
De vida vazia
Mas, vida, ali
Quem sabe, eu fui feliz
Vida, minha vida
Olha o que é que eu fiz
Verti minha vida
Nos cantos, na pia
Na casa dos homens
De vida vadia
Mas, vida, ali
Quem sabe, eu fui feliz
Luz, quero luz,
Sei que além das cortinas
São palcos azuis
E infinitas cortinas
Com palcos atrás
Arranca, vida
Estufa, veia
E pulsa, pulsa, pulsa,
Pulsa, pulsa mais
Mais, quero mais
Nem que todos os barcos
Recolham ao cais
Que os faróis da costeira
Me lancem sinais
Arranca, vida
Estufa, vela
Me leva, leva longe
Longe, leva mais
Vida, minha vida
Olha o que é que eu fiz
Toquei na ferida
Nos nervos, nos fios
Nos olhos dos homens
De olhos sombrios
Mas, vida, ali
Eu sei que fui feliz

(Vida, Chico Buarque)



Quero mais!
Sempre penso nestas palavras do Chico. Sou um navio quase à pique que insiste em ir adiante. Nem que todos os barcos recolham ao cais... Sigo na maré cansada, o barco velho, um pesqueiro triste, mas como são belos estes peixes que a rede revela. Eu me sinto assim com minha vida e minha poesia. Nem o cansaço e a falta de saúde bloqueiam esta viagem para além das cortinas e os palcos infinitos. Sigo recolhendo as ideias nas manhãs sonoras. Os pássaros acordam a poeta em uma sinfonia bonita. Nas manhãs os poemas se apresentam, deslocam o silêncio assim que deixo a cama, como uma goteira que não cessa uma palavra se apresenta, outra palavra, um momento, a memória, o desejo, a interrogação, o susto, a beleza. E súbito um verso estendido diante dos meus olhos. Um dia sou prosa, no outro poesia. Os livros calados, precisam aguardar prazos dos concursos. Vou construindo dia a dia um pequeno arsenal. E o mais importante, só quando escrevo eu me sinto viva. Só quando um novo tema se apresenta e aquela alegria da descoberta faz ninho dentro de meu coração e cérebro, o sangue valsa e traz aquela sensação de euforia. Como quem tomou uma poderosa droga, o meu corpo experimenta as sensações do delírio, a euforia, o êxtase. Vida me leva longe, leva mais...