Wednesday, December 26, 2012

2012



Sonetos no Rascunho - Março/2012

Polêmico e nosense para tantos, poético e terno para mim. Ainda bem que foi assim, só a Poesia visitou meu MUNDO - Meu pequeno santuário é a Palavra e meu coração só bate por amor extremado. Feliz 2013 e até lá.
Antologia - Amar, Verbo Atemporal
Minha Poesia "Umbrática Nuvem"
neste livro organizado por
Celina Porto Carrero
(Ed. Rocco)
                                                                            Poesias do livro - A flor dentro da árvore
                                                                                                               no site Musa Rara
                                                                                                                                                         Março/2012




Lançamento do livro
A flor dentro da árvore
Dezembro em Porto Alegre
Castelinho do Alto da Bronze


O conto "Aquela Viagem" integra a Antologia;
Ocultos Buracos - Pastelaria Editora
lançado em Lisboa em outubro/2012
Fragmento da minha poesia - Cigarras no apocalipse
n
a

Exposição: Volva
de Andrea Nardi, Eleonora Gomes,
 Lourdes Duarte, Milena Costa e Raquel Camacho.
Museu Alfredo Andersen
Muito Especial 2012 - Em Maio fui a Foz do Iguaçu - esta Maravilha da Natureza - em Agosto fui ao Rio de Janeiro para participar do lançamento da antologia - Amar, Verbo Atemporal e no início de Dezembro a Porto Alegre para lançar o meu livro de poesia - A flor dentro da árvore. Um ano lindo, pleno de horas únicas. A Poesia tem me levado a lugares, recantos, livros, encontros. Estes enumerados aqui são os de 2012. Em 2013 tem mais...
A produção literária migrou para a prosa, um romance concluído, outro iniciado. Que logo encontrem editores. A Poesia segue no ritmo poético dos trens antigos. Segue lenta e suave por uma paisagem solitária, em alguns dias me visita e em outros debanda para corações menos cansados. Bárbara Lia cansada de guerra, com a vontade de voltar a ser aquela loba, leoa, mulher que enfrentava TUDO. O tempo vem soprar esta humanidade implacável, o corpo estanca em um tempo de dor que enche o saco, mas, ao final, não impede que o verbo frutifique, que os livros aconteçam, que o poema permaneça, e que brotem nas madrugadas inconclusas, com o perfume inesquecível que só o poema tem. 


/


Visita ao Salão Internacional do Livro - Foz de Iguaçu;
Premiação Prêmio Cataratas - 2° Lugar
Maio / 2012